Grupo leal ao Estado Islâmico decapita cristãos em vingança por morte de terrorista

O pesadelo da ação cruel do Estado Islâmico voltou a preocupar cristãos que vivem como minoria religiosa em países onde há perseguição após um ramo do grupo extremista muçulmano divulgar um vídeo em que decapita, no Natal, dez seguidores de Jesus Cristo.

O material de propaganda terrorista foi divulgado no canal de notícias que o Estado Islâmico mantém no aplicativo de mensagens Telegram, na última quinta-feira, 26 de dezembro.

Com macacões laranja, os fiéis foram executados pelos carrascos da mesma forma que, há quase cinco anos, 21 cristãos copta foram decapitados no norte da Líbia. No vídeo, um fiel é morto com um tiro na cabeça, e outros 10, vendados, morrem degolados.

“Esta mensagem é para os cristãos do mundo”, disse o vídeo de 56 segundos, publicado em árabe e haúça, segundo informações do The New York Times. “Aqueles que vocês vêm à nossa frente são cristãos, e derramaremos o sangue deles são como vingança pelos dois honrados sheiks”, acrescenta o terrorista.

A execução foi uma retaliação pela morte de Abu Bakr al-Baghdadi, o califa do Estado Islâmico morto por tropas americanas em uma operação na Síria, em outubro último; e Abu al-Hassan al-Muhajir, seu suposto sucessor, morto no dia seguinte.

Os terroristas que decapitaram os cristãos no gesto de vingança são de um ramo do Estado Islâmico que atua na África Ocidental, chamado de Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP, na sigla em inglês).

O ISWAP tem origem no Boko Haram, da Nigéria, de quem se separou em 2016 e se tornou o grupo jihadista dominante da região. Um vídeo anterior dizia que as vítimas haviam sido capturadas no estado de Borno, no noroeste da Nigéria.

De acordo com informações da revista Christianity Today, as imagens mostram ainda os cristãos cativos apelando por ajuda ao presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, assim como à Associação Cristã da Nigéria (CAN, na sigla em inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *